Quem Somos


Quem Somos
O Bloco A é uma organização sem fins lucrativos e não-governamental dedicada a aliviar a injustiça social para mulheres e meninas no Brasil, aumentando o acesso a serviços essenciais de saúde de alta qualidade, incluindo contracepção, aborto e assistência pós-aborto.

Acreditamos que o controle das mulheres sobre suas vidas reprodutivas é um direito humano. Evidências globais e nossa experiência em primeira mão nos mostram que restringir o acesso a informações e serviços relacionados à contracepção, aborto e assistência pós-aborto resulta em taxas mais altas de gravidez indesejada e aborto inseguro. A gravidez indesejada e o aborto inseguro não apenas acarretam riscos para a saúde, incluindo complicações graves e morte, mas também afetam a capacidade da mulher de atingir níveis mais altos de educação, produtividade, segurança financeira e bem-estar.

O Bloco A está comprometido em aplicar soluções inovadoras, testando ideias, medindo resultados e corrigindo cursos para alcançar o maior impacto. Acreditamos que a mudança social requer ação coletiva e liderança coletiva. Portanto, um componente integral de nossa abordagem é a colaboração com instituições afins por meio da formação de uma coalizão formal com outras entidades sem fins lucrativos, acadêmicos, empresas e entidades governamentais. É essencial garantir o acesso equitativo à informação e aos serviços de contracepção, bem como ao aborto e ao atendimento pós-aborto, portanto fazemos um esforço especial para atender as mulheres e meninas das populações mais marginalizadas e vulneráveis.

O Desafio


O Desafio
Muitas mulheres e meninas não têm acesso a informações precisas e serviços de saúde reprodutiva de alta qualidade e com compaixão, negando-lhes dignidade e a capacidade de tomar decisões informadas sobre sua saúde. Mais de 55% dos cerca de 2,8 milhões de nascimentos anuais no Brasil não são intencionais, indicando uma necessidade não atendida de contracepção. Apesar do alto uso de contraceptivos, os anticoncepcionais mais eficazes, incluindo implantes hormonais e dispositivos intra-uterinos, ainda são de difícil acesso por meio do sistema público de saúde em muitas áreas do Brasil. O resultado é uma alta dependência de métodos menos eficazes, como preservativos e pílulas hormonais, que são suscetíveis a maiores taxas de falha. As evidências mostram que, quando confrontadas com uma gravidez indesejada, muitas mulheres brasileiras recorrem a abortos inseguros e clandestinos.

O Brasil é um dos ambientes mais legalmente restritos para o aborto no mundo. O aborto é um crime no Brasil com apenas três exceções legais: risco para a vida da mulher, casos de estupro, ou anencefalia fetal. No entanto, o estigma, a discriminação, a recusa em prestar assistência e a falta de conhecimento das leis entre os profissionais de saúde resultam em muitas mulheres que não recebem atendimento, mesmo em situações legalmente permitidas. Apesar do contexto restrito, centenas de milhares de mulheres fazem abortos clandestinos todos os anos. Muitas dessas mulheres recorrem a práticas inseguras, arriscando doenças, invalidez e morte. Aproximadamente 250.000 mulheres são hospitalizadas por ano e a cada 2 dias uma mulher morre devido a complicações decorrentes do aborto inseguro no Brasil.

O Que Fazemos


O Que Fazemos
Nosso modelo

O Bloco A faz parcerias com instituições de saúde para mobilizar e desenvolver habilidades de ginecologistas, enfermeiras, parteiras e psicólogos para fornecer cuidados contraceptivos de alta qualidade e compassivos, aborto e assistência pós-aborto.

Apoiamos um modelo de redução de danos, que inclui o fornecimento de informações precisas sobre todas as opções de gravidez, permitindo que as mulheres tomem decisões informadas sobre sua saúde.


Por que este modelo?

O Bloco A acredita que os provedores de saúde são os melhores parceiros no apoio às mulheres para tomar decisões informadas sobre sua saúde, pois podem fornecer informações precisas e sem julgamentos e prestar serviços com segurança.

Projetos


Resultados esperados


Mulheres e meninas

As mulheres e meninas acessam serviços de alta qualidade e com sensibilidade recebem informações médicas precisas, permitindo que tomem decisões informadas sobre sua saúde.

Provedores de saúde

Os provedores de saúde ganham conhecimento e habilidades para prestar cuidados de qualidade e são capazes de cumprir suas obrigações profissionais em um ambiente propício.

Instituições de saúde

As instituições de saúde aumentam a capacidade de fornecer serviços de alta qualidade para as mulheres, levando a melhores resultados de saúde para suas comunidades.

O Brasil

O Brasil alcança melhores resultados de saúde para as mulheres devido a uma redução na gravidez indesejada e menos abortos inseguros.

Liderança


Julie Taft

Fundadora

Contato


  • Brasília, Federal District, Brazil

About Us


About Us
Bloco A is a non-profit organization dedicated to alleviating social injustice for women and girls in Brazil by increasing access to high-quality essential health services including contraception, abortion and post-abortion care.

We believe that women’s control over their reproductive lives is a human right. Global evidence and our first-hand experience shows us that restricting access to information and services related to contraception, abortion and post-abortion care results in higher rates of unintended pregnancy and unsafe abortion. Unintended pregnancy and unsafe abortion not only carry health risks, including serious complications and death, but also impact a woman’s ability to achieve higher levels of education, productivity, financial security and well-being.

Bloco A is committed to employing innovative solutions, testing ideas, measuring outcomes and course correcting to achieve the greatest impact. We believe social change requires collective action and collective leadership, so an integral component of our approach is collaboration with like-minded institutions through formal coalition building with other non-profits, academia, businesses and government entities. Ensuring equitable access to contraceptive information and services as well as abortion and post-abortion care is essential, so particular effort is made to serve women and girls from the most marginalized and vulnerable populations.

The Challenge

Many women and girls lack access to accurate information and high-quality, compassionate reproductive health services, denying them dignity and the ability to make informed decisions about their health. More than 55% of the roughly 2.8 million annual births are unintended in Brazil, indicating an unmet need for contraception. Despite high contraceptive use, the most effective contraceptives, including hormonal implants and intra-uterine devices remain difficult to access through the public health system in many areas of Brazil. The result is a high dependence on less effective methods, such as condoms and hormonal pills, which are susceptible to higher failure rates. Evidence shows that when confronted with an unintended pregnancy many Brazilian women will resort to unsafe and clandestine abortions. Brazil is one of the most legally restricted environments for abortion in the world. Abortion is a crime in Brazil with only three legal exemptions including risk to the life of the woman, and in cases of rape or fetal anencephaly. However, stigma, discrimination, refusal to provide care and lack of knowledge of laws among health providers result in many women being denied care even in legally permitted situations. Despite the restricted context, hundreds of thousands of women have clandestine abortions every year. Many of these women resort to unsafe practices risking illness, disability and death. Approximately 250,000 women are hospitalized per year and every 2 days a woman dies due to complications from unsafe abortion in Brazil.

Our Model


Our Model
What we do

Bloco A partners with health institutions to mobilize and build skills of gynecologists, nurses, midwives and psychologists to provide high-quality and compassionate contraceptive, abortion and post-abortion care.  

We support a harm-reduction model, which includes providing accurate information on all pregnancy options, enabling women to make informed decisions about their health.


Why this model

Bloco A believes health providers are the best partners in supporting women to make informed decisions about their health as they can provide non-judgmental, accurate information and deliver services safely.

Our Projects


Expected outcomes


Women and Girls

Women and girls access high-quality, compassionate services and receive accurate medical information enabling them to make informed decisions about their health.

Health Providers

Health providers gain knowledge and skills to provide quality care and are able to fulfill their professional duties in an enabling environment.

Health Institutions

Health institutions have enhanced capacity to provide high quality services to women, leading to improved health outcomes for their communities.

Brazil

Brazil achieves improved health outcomes for women due to a reduction in unintended pregnancies and fewer unsafe abortions.

Leadership


Julie Taft

Founder

Contact


  • Brasília, Federal District, Brazil